fbpx
14 jun

Suplementação de glutamina e a saúde intestinal

glutamina-2




A glutamina é o aminoácido livre mais abundante no músculo e no plasma humano, cerca de 20% do total de aminoácidos livres no plasma e mais de 60% de aminoácidos livres totais no músculo. É um importante substrato celular não só por ser um aminoácido, mas por também ser fonte de energia, de nitrogênio e de carbono, para a síntese de outras moléculas. É um aminoácido importante para o crescimento e a diferenciação celular, transporte de cadeia carbônica entre os órgãos e fornecimento de energia para células de rápida proliferação, como os enterócitos e as células do sistema imune.

Este aminoácido pode ser considerado como importante fonte de energia para os enterócitos e para a integridade e função da mucosa intestinal. Deste modo, faz parte da terapia nutricional das patologias intestinais com o objetivo de preservar estruturalmente a parede das mucosas do aparelho digestivo. Ela é uma reguladora da síntese proteica e da ureia e transporta a amônia da periferia para os órgãos viscerais. É benéfico para pessoas com problemas digestivos, como úlceras, colite e doenças de Crohn. Isso porque a suplementação tem ação reparadora na mucosa, pois este aminoácido serve como principal fonte energética. Sem glutamina suficiente, pode ocorrer prejuízo na função imunológica e atrofia de células intestinais. Por esse motivo é muito importante para o restabelecimento do equilíbrio intestinal.

Nesse sentido, a suplementação com glutamina pode evitar quedas na concentração plasmática e muscular da mesma, melhorando a atividade das células imunitárias. A glutamina pode ainda exercer efeitos anabólicos e anticatabólicos, interferindo positivamente na síntese e degradação de proteínas no tecido muscular. Parece que a suplementação com glutamina pode aumentar o volume celular, envolvido no processo de hipertrofia muscular. Além disso, estudos recentes têm indicado que a suplementação com glutamina pode influenciar na performance esportiva. Sendo um precursor para a formação de glicose e glicogênio, além de possibilitar que o atleta retorne mais rapidamente ao treinamento intenso.

Como suplementar?

A glutamina pode ser encontrada em cápsulas ou na forma líquida, e seu consumo diário pode variar entre 5g a 10g, dependendo das recomendações do seu médico ou nutricionista. Não existe um consenso quanto à ingestão ideal de glutamina, porém estudos têm demonstrado que uma dose entre 5g a 10g de glutamina seja ideal, sendo que quanto mais debilitada estiver a saúde da pessoa, maior a quantidade de glutamina a ser suplementada.
Também não existe um consenso na literatura em qual seja o melhor período para se realizar a suplementação com a glutamina. Estudos com diferentes protocolos experimentais têm sido realizados, e o período de suplementação varia de acordo com o protocolo: pré-treino, pós-treino e período noturno, sendo visto benefícios em todos os protocolos.

Essas informações não dispensam acompanhamento do médico ou nutricionista.

Hariane Correa
CRN10 4495