05 dez

Cúrcuma

05_curcuma_blog




Curcuma longa L. é uma raiz nativa do Sudeste da Ásia, conhecida popularmente como açafrão ou cúrcuma. É uma espécie de cultivo simples e pode ser encontrada em todo território brasileiro. A planta possui uso histórico e tradicional, como uma especiaria aromática, que atribui cor, sabor, aroma e conservação aos alimentos.

Nas últimas décadas os estudos científicos envolvendo a cúrcuma têm se intensificado, com enfoque sobre seu principal composto ativo, a curcumina, à qual são atribuídas as funções anti-inflamatória, antioxidante, redução do nível de glicose no sangue, tratamento do mal de Alzheimer, redução de fatores de risco associados a doenças cardiovasculares, e prevenção de câncer.

Uma recente dissertação de mestrado desenvolvida na Universidade Federal de Goiás avaliou a qualidade físico-química e caracterizou os compostos bioativos e capacidade antioxidante da cúrcuma. A pesquisadora encontrou boas concentrações de proteínas, fibras totais, compostos fenólicos, magnésio, cálcio, potássio, fósforo, manganês, ferro e zinco.

Além desta importante atuação, estudos mostram que os compostos bioativos da cúrcuma podem auxiliar na prevenção de problemas ósseos, como a osteopenia e osteoporose. Para justificar este efeito, um estudo in vitro mostrou que a administração da cúrcuma aumentou fatores genéticos que favorecem o processo de osteogênese – grupo de doenças hereditárias caracterizadas por ossos frágeis que se quebram com facilidade – e deposição de minerais no tecido ósseo.

Outro estudo, também realizado em modelo celular, indicou que a administração da cúrcuma pode inibir a ação de fatores que geram degradação óssea. Neste estudo, os autores mostraram que o efeito anti-inflamatório da curcumina auxilia na redução do risco de artrite reumatoide, que está correlacionado com dores crônicas e redução de mobilidade.

Para complementar, outro estudo preliminar realizado com indivíduos saudáveis, com duração de 24 semanas, correlacionou a suplementação de cúrcuma com o aumentou da densidade mineral óssea ao final do tratamento. Desta forma, os autores concluíram que o uso da cúrcuma pode ser uma interessante estratégia para a prevenção de problemas ósseos, quando associado a uma alimentação saudável, e rotina de atividade física.

A versatilidade da cúrcuma permite o seu uso em diversas preparações culinárias, como sucos, acompanhamentos e pratos principais. É importante ressaltar que o percentual de aproveitamento da cúrcuma pode ser aumentado na presença de pimenta preta e gorduras boas. Assim, de forma prática, segura e eficiente, a cúrcuma pode enriquecer nossas refeições, favorecendo o equilíbrio orgânico.

A incorporação da cúrcuma na alimentação pode constituir um grande potencial para a saúde humana como uma fonte alternativa e não convencional de nutrientes, e compostos ativos que sustentam os princípios da nutrição, além de valorizar de maneira sustentável a agricultura e o aproveitamento integral do alimento, reduzindo impactos ambientais, com benefícios econômicos e sociais.

As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não dispensam o acompanhamento de médicos ou nutricionistas, as informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença.

Nutricionista Raissa Anaisse de Araújo
CRN10: 4984

Fontes:

  1. ROHANIZADEH, R; DENG, Y.; VERRON, E. Therapeutic actions of curcumin in bone disorders. Bonekey Rep; 5:793,2016.
  2. KNUPP, V.F.; LORENZI, H. Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2014.
  3. BRAGA, M.C. Qualidade de folha de Curcuma longa L. desidratada obtida com diferentes métodos de secagem. 2016. 96 p. Universidade Federal de Goiás, 2016. p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia.
  4. PANAHI, Y.; HOSSEINI, M.S.; KHALILI, N. et al. Antioxidant and anti-inflammatory effects of curcuminoid-piperine combination in subjects with metabolic syndrome: A randomized controlled trial and an updated meta-analysisClin Nutr; 34(6):1101-8, 2015.
  5. AKRAN, M.; SHAHAB-UDDIN, A.A.; USMANGHANI, K. et al. Curcuma longa and curcumin: a review article. Roman. J Biol Plant Biol; 55(2):65-70, 2010.
  6. KUNNUMAKKARA, A.B.; BORDOLOI, D.; PADMAVATHI, G. et al. Curcumin, the golden nutraceutical: multitargeting for multiple chronic diseases. Br J Pharmacol; 2016.
  7. ARA, S.A.; MUDDA, J.A.; LINGAPPA, A. et al. Research on curcumin: A meta-analysis of potentially malignant disorders. J Cancer Res Ther; 12(1):175-81, 2016.
  8. JAIN, S.; KRISHNA MEKA, S.R.; CHATTERJEE, K. Curcumin eluting nanofibers augment osteogenesis toward phytochemical based bone tissue engineering. Biomed Mater; 11(5):055007,2016.
  9. SHANG, W.; ZHAO, L.J.; DONG, X.L. et al. Curcumin inhibits osteoclastogenic potential in PBMCs from rheumatoid arthritis patients via the suppression of MAPK/RANK/c-Fos/NFATc1 signaling pathways. Mol Med Rep; 14(4):3620-6,2016.
  10. RIVA, A.; TOGNI, S.; GIACOMELLI, L. et al. Effects of a curcumin-based supplementation in asymptomatic subjects with low bone density: a preliminary 24-week supplement study. Eur Rev Med Pharmacol Sci; 21(7):1684-1689,2017.
  11. PATIAL, V.S.M.; SHARMA, S.; PRATAP, K. et al. Synergistic effect of curcumin and piperine in suppression of DENA-induced hepatocellular carcinoma in rats. Environ Toxicol Pharmacol; 40 (2):445-52, 2015.
  1. QIN, Si et al. Efficacy and safety of turmeric and curcumin in lowering blood lipid levels in patients with cardiovascular risk factors: a meta-analysis of randomized controlled trials.Nutrition journal, v. 16, n. 1, p. 68, 2017.
  2. MISHRA, Shrikant; PALANIVELU, Kalpana. The effect of curcumin (turmeric) on Alzheimer’s disease: An overview.Annals of Indian Academy of Neurology, v. 11, n. 1, p. 13, 2008.
  3. YOUSSEF, Khairia M.; EL‐SHERBENY, Magda A. Synthesis and antitumor activity of some curcumin analogs. Archiv der Pharmazie: An International Journal Pharmaceutical and Medicinal Chemistry, v. 338, n. 4, p. 181-189, 2005.
TAGS: