04 abr

Chá verde na redução da adiposidade

0404---Blog---Matéria---chaverde




A planta Camellia Sinensis, popularmente conhecida como chá verde tem sido muito estudada quanto à redução de adiposidade corporal. Originária do Sudeste Asiático, hoje é cultivada em mais de 30 países.

Dentre os compostos dessa planta as substâncias que mais se destacam são os polifenois, representados pelas catequinas e flavonoides. A classe das catequinas presentes no chá verde são: a epicatequina, epigalocatequina, galato-3-epicatequina, galato-3-epigalocatequina. E a classe dos flavonoides é subdividida em: flavonas, flavononas, isoflavonas, flavonóis e antocianinas. São encontrados também: vitamina C, vitamina B1 e B2, vitamina K, minerais, cafeína, carotenoides, entre outros.

Os botões e as folhas são as partes mais utilizadas da planta para extração dos seus princípios ativos, possuem cerca de 30% de compostos fenólicos.

Estudos mostram que o consumo regular do chá verde juntamente com uma dieta equilibrada podem contribuir para a redução de peso corporal, IMC, gordura visceral e total, aumento da termogênese e da oxidação lipídica. Se aliados a exercícios físicos o gasto energético pode ser ainda maior. Outros estudos sugerem que a EGCG modula a mitogênese, a estimulação endócrina e a função metabólica nas células de gordura.

São diversas as vias metabólicas que participam da ação do chá verde para a manutenção e redução do peso. Uma delas influenciaria na má absorção dos carboidratos, pois estudos demonstram aumento significativo de energia nas fezes quando a EGCG é ingerida em maior quantidade, sugerindo diminuição de absorção energética através da inibição das enzimas beta-amilase e alfa-glucosidade.

Existe um contato dessa substância com componentes de vias que controlam o apetite, produzindo sensação de saciedade, isso por sua interação com o receptor da leptina – proteína secretada pelos adipócitos que é responsável pela sinalização do gasto calórico e regulação da saciedade.

Outros efeitos do consumo do chá são o aumento da termogênese e da oxidação lipídica, ambas reguladas pelo sistema nervoso simpático, fazendo com que os flavonoides atuem por meio da modulação da noradrenalina, regulando assim a expressão da leptina.

Até o momento não existem estudos conclusivos quanto à recomendação diária do chá verde para usufruir de seus benefícios. Recomenda-se que juntamente com o chá seja administrada uma dieta equilibrada e atividades físicas regulares.

 

Essas informações não dispensam o acompanhamento de médicos ou nutricionistas.
Fontes: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732009000200008
http://www.uniararas.br/revistacientifica/_documentos/art.6-006-2014.pdf
http://siaibib01.univali.br/pdf/Raquel%20Salomoni%20de%20Sa%20e%20Taise%20Kethin%20Turella.pdfv