26 jan

Banana verde e seus benefícios para a saúde

2601 - Blog - Matéria - Banana verde




A banana verde ganhou popularidade pelos seus benefícios para a saúde, e de fato é um ótimo alimento, principalmente pela versatilidade nas preparações, podendo ser utilizada sob a forma de farinha ou de biomassa (polpa de banana verde cozida e processada). Por não ter sabor característico, além de textura, serve também como uma forma de adicionar bons nutrientes às receitas.

Mas quais os benefícios deste super alimento?

A quantidade de nutrientes da banana verde cozida pode variar de acordo com alguns fatores, como: solo, cultivo, condições pós-colheita, etc. Mas a composição físico-química em 100g, avaliada em diversos estudos é, basicamente: 65% umidade, 20% carboidratos, 6% lipídeos, 1,5% fibra bruta, 1,5% proteínas e 6% cinzas.

Os carboidratos presentes na banana verde fazem parte dos carboidratos denominados de complexos, que são o amido e os polissacarídeos não amiláceos, que diferem entre si em relação às suas estruturas químicas, efeitos fisiológicos e nutricionais.

Em geral, os sais minerais aparecem em maior quantidade no fruto ainda verde, sendo os principais: potássio, fósforo, cálcio, sódio e magnésio.

As principais vitaminas presentes na banana são as vitaminas A, C e complexo B (B1, B2 e niacina).

As principais proteínas presentes são a albumina e a globulina, porém em pequenas quantidades. E, em relação aos aminoácidos, predominam a asparagina, glutamina e histidina.

A quantidade de amido resistente (AR) presente na banana verde (cerca de 20%) merece destaque. Amido resistente é a forma do amido e dos produtos de sua degradação que não são digeridos e absorvidos no intestino delgado de indivíduos sadios, podendo ser fermentado no intestino grosso. A banana verde apresenta o AR do tipo 1, que impede ou retarda a ação das enzimas digestivas e o AR do tipo 2, que apresentam lenta digestibilidade. Porém, após cozimento úmido, a digestão do AR se torna facilitada, ocorrendo o processo de gelatinização.

Devido às características do AR, seu comportamento mostra-se semelhante ao das fibras alimentares, com efeitos fisiológicos benéficos, principalmente no intestino grosso. Dessa maneira, o AR pode ser denominado de alimento funcional. Quando o AR chega ao intestino grosso, sofre um processo de fermentação bacteriana, produzindo ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), responsáveis pela manutenção da integridade do cólon. Assim sendo, o AR pode ser classificado como um prebiótico, termo utilizado para designar um ou grupo de ingredientes alimentares que não são digeridos pelas enzimas digestivas normais, mas que atuam estimulando seletivamente o crescimento e/ou a atividade de bactérias benéficas no intestino que têm por ação final, melhorar a saúde do hospedeiro. O AR apresenta também ação simbiótica, pois em estudos com animais foi capaz de aumentar significativamente o número de lactobacilos presentes no intestino.

Dentre os benefícios do consumo de amido resistente já constatados em estudos estão:

  • - Redução do risco de câncer colorretal e tratamento de problemas intestinais (como diarreia, dispepsias e úlceras pépticas);
  • - Auxílio na redução das taxas de glicose e na resposta insulínica pós-prandial, sendo indicado na prevenção e tratamento da Diabetes
  • - Auxílio na diminuição de níveis séricos de colesterol e triglicérides, contribuindo no tratamento de dislipidemias e na prevenção de doenças coronarianas.
  • - Efeito sacietogênico, sendo indicado para o emagrecimento.

Essas informações não dispensam o acompanhamento de médicos ou nutricionistas.

Letícia Longhi Rocha
Nutricionista – CRN 10-3814

Fonte: BIANCHI, M. Banana verde – propriedades e benefícios. 2017.